Ludopedagogia inspira primeira mesa digital com jogos educativos desenvolvida no Brasil

"PlayTable destinada a crianças a partir de três anos e pode ser utilizada para entretenimento e no processo de ensino e aprendizagem, em escolas da educação infantil e ensino fundamental nos segmentos público e privado "

As novas tecnologias têm colocado em cheque uma série de paradigmas nos processos de ensino e aprendizagem. O desafio está em engajar e motivar a geração de ânativos digitais no cotidiano da sala de aula, sem deixar de lado as diretrizes curriculares e as condições de atuação dos educadores. Nesse contexto, sobretudo na educação infantil e nos anos iniciais, que a ludopedagogia ganha a atenção de professores e de escolas que levam a sério a premissa de aprender brincando, por considerar que o lúdico é fundamental para tornar a vida escolar mais prazerosa e assim mais eficaz.

Tal cenário inspirou os empreendedores Marlon Souza e Jean Gonçalves, sócios e diretores da Playmove, a criar a PlayTable, primeira mesa interativa digital com jogos educativos desenvolvida no Brasil. Lançada em 2014, depois de 3 anos de pesquisa e desenvolvimento, a PlayTable foi um dos destaques da Campus Party daquele ano e já está em uso mais de 350 escolas em todas as regiões do Brasil. "Entendemos que crianças aprendem melhor e mais rápido quando recebem conteúdo associado a jogos e diversão. Contudo, é necessário contar com uma fundamentação teórica e com o apoio de professores e pedagogos para que o conteúdo seja adequado", explica Marlon.

Os jogos e aplicativos inseridos na mesa são exclusivos, fundamentados nas diretrizes curriculares do MEC e projetados por professores especialistas em alfabetização, matemática, artes, língua inglesa, ciências e outras disciplinas especí­ficas. "Também contamos na nossa equipe com artistas e desenvolvedores alinhados com a ludopedagogia e especializados no desenvolvimento de games", conta Marlon.

De acordo com o diretor da Playmove, a PlayTable foi desenvolvida para ambientes com muitas crianças. Ela é resistente, lacrada e totalmente segura porque é feita de plástico e possui cantos arredondados. A ferramenta também tem ganhado adesão em escolas de educação especial, pois é acessí­vel para crianças com diferentes ní­veis de deficiência motora ou psíquica. A tela do produto tem tecnologia de sensor infravermelho, que reconhece objetos de plástico, metal, feltro, entre outros, além do toque dos dedos e outras partes do corpo, explica.

Mercado de entretenimento

Apesar de o uso da Playtable estar se consolidando no Âmbito da educação, a estratégia de negócio da empresa desenvolvedora também mira no mercado privado, principalmente no setor de entretenimento. A meta, segundo o diretor comercial da empresa, Jean Gonçalves, que a mesa seja a principal ferramenta do chamado cantinho da criança - local destinado aos pequenos em estabelecimentos como salas de espera de clínicas e hospitais, restaurantes, supermercados, concessionárias, entre outros. "Foi em um restaurante, inclusive, que tivemos a ideia do produto. Vimos que uma criança brincando com um tablet em uma mesa separada dos pais atraiu um grupo de meninos e meninas, que ficou entretido com a tecnologia", recorda Jean.

Sobre a Playmove Empresa de Blumenau (SC), fundada em 2013.

A Playmove é uma empresa focada no desenvolvimento de soluções tecnolígicas para educação infantil. Criadora e desenvolvedora da PlayTable, a primeira mesa digital com jogos educativos do Brasil, utilizada em escolas públicas e privadas no paí­s. A PlayTable é uma mesa interativa e multidisciplinar, com jogos e aplicativos para crianças a partir de 3 anos de idade, voltada ao desenvolvimento das habilidades cognitivas dos pequenos. A tecnologia touch screen se caracteriza pela fácil usabilidade, inclusive, por ser acessí­vel a portadores de necessidades especiais.

Playmove

Tecnologia que diverte e ensina

Playmove é criadora e fabricante da PlayTable, a primeira mesa digital com jogos educativos do Brasil, presente em mais de mil instituições de ensino que atende mais de 300 mil crianças.