Dicas para deixar o ambiente médico mais acolhedor para a criança

O receio de ir ao médico é muito comum em crianças, e até em adultos. Seja para consultas, exames, tirar sangue ou tomar vacina, o medo é uma reação que pode ser desencadeada por diversos fatores. A presença de estranhos, as mudanças de ambiente e o temor de sentir alguma dor são alguns exemplos.

Por isso, deixar o espaço mais leve e acolhedor pode auxiliar entre essas e outras questões. Confira algumas ações que ajudam a deixar consultórios e hospitais mais acolhedores, especialmente do ponto de vista das crianças:

Ambiente personalizado

Fugir da tradicional cor branca que costuma-se encontrar em clínicas e hospitais é um dos fatores que têm a capacidade de transformar completamente o ambiente. Se o local é especializado em pediatria, por exemplo, investir em cores vibrantes é essencial. E, mesmo que sejam atendidas crianças e também adultos, investir em um espaço dedicado especialmente para os pequenos é indispensável. Papéis de parede, objetos, jogos e brinquedos coloridos e/ou temáticos de personagens infantis tornará o ambiente médico muito mais leve e descontraído.

Abordagem certa

O atendimento começa no momento em que aquela criança pisa na clínica ou hospital. Ter na equipe pessoas que realmente possuam afinidade com crianças faz toda a diferença para que elas, e seus pais, se sintam confortáveis com a situação e não fiquem nervosos ou ansiosos com o que vem adiante. Se sentir bem tratado já na chegada daquele ambiente trará um sentimento de tranquilidade e fará com que os procedimentos a seguir sejam feitos sem sacrifícios, desmistificando o drama do ambiente hospitalar.

Tudo para criar um espaço lúdico em hospitais!

Ludopedagogia no ambiente hospitalar

Já falamos por aqui sobre como os jogos apoiam a quebra do gelo nos consultórios e hospitais e os benefícios que trazem ao tratamento. No caso de crianças que precisam ficar internadas, contar com esse recurso para manter as atividades escolares também é um grande diferencial, além de ser direito da criança. Jogos eletrônicos que sejam educativos fazem toda a diferença - não só na sala de espera - mas também no tratamento e na rotina hospitalar. Além das opções educativas, existem hoje conteúdos pensados para apoiar o desenvolvimento das crianças. Na fonoaudiologia, por exemplo, há o Método Boquinhas, com opções para o desenvolvimento da articulação da fala.



Em suma, o importante é ter a consciência de que a criança tem uma papel cada vez mais presente e atuante na tomada de decisão no ambiente familiar. Isso significa que o fato de ela se sentir acolhida garante, muitas vezes, a fidelização do paciente, que é também cliente do seu negócio.  

Josiani Resendes

Coordenadora de Relacionamento na Playmove